Entrevista

Anna Bartoli, Bartoli Design studio

Anna Bartoli, Bartoli Design studio Foi alterado: 2017-05-08 di Bento Flores

Durante a edição de 2017 do Salone del Mobile, conhecemos Anna Bartoli do estúdio Bartoli projeto, que junto com seu irmão Paolo continua a experiência iniciada em 1960 por seu pai Carlo.

Carlo Bartoli é o criador de algumas peças icônicas do design italiano, como a poltrona Gaia para Arflex, a coleção Tube para Rossi by Albizzate, a poltrona 4875 para Kartell, o estúdio tem colaborado e ainda colabora com muitas outras empresas líderes no setor mobília.

SDM: para começar, uma breve apresentação, como nasceu o estúdio Bartoli e como ele aborda o design?

Anna Bartoli: O atelier nasceu nos anos 60 com o trabalho do meu pai Carlo que é arquitecto, pois eu sou arquitecto e o meu irmão Paolo é arquitecto, agora trabalhamos em três.

Na década de 60 começou mesmo como arquitecto, depois acontece que numa das primeiras crises de construção tenta fazer outra coisa, começa uma primeira colaboração com Arflex graças a acontecimentos fortuitos, precisava de uma série de móveis para si, ele desenhou estes móveis à medida das suas necessidades, depois os propôs à Arflex, eles se interessam, então, quase por acaso ele passou a ser designer.

Que os anos 60 foi um período fértil onde desenvolveram muitas marcas que estão agora famoso em todo o mundo, são ícones de nosso projeto.

Esta actividade de designer, misturada com a de arquitecto, é o que continuamos a fazer hoje, fazemos principalmente design, mas também arquitectura e transferimos as experiências e necessidades da arquitectura para o nosso trabalho de designer.

SDM: qual é em sua experiência a centelha que desencadeia o processo criativo?

Anna Bartoli:O processo criativo pode ter diferentes faíscas, vários nascimentos, acreditamos muito em colaboração com empresas, por isso é muitas vezes o diálogo com as empresas que fazem estímulos nasceredegli, que então se aprofundar.

Esses estímulos derivam das condições sociais, por exemplo, que passam a gerar a necessidade de novos produtos, pelo fato de a empresa querer explorar um tema diferente em relação à tecnologia, que a empresa se relaciona com um novo tipo de cliente para o qual ainda não tem produtos, ou, às vezes, decorre do fato de que atendendo diferentes empresas e pensando muito nos tipos de produtos, percebemos lacunas que acreditamos valerem a pena preencher e temos algumas ideias que consideramos inovadoras e interessantes para desenvolver .

A criatividade é um processo complexo, como se tantos estímulos e também tantos constrangimentos se sedimentassem e convergissem num momento que então deve ser sintetizado por nós de forma racional, há um momento criativo que no entanto é um com uma síntese que também é racional, não é obra de um artista ou de um designer.

SDM: todo projeto tem uma história que vai desde a ideia até a produção do objeto, qual dos seus produtos é o que tem a história mais interessante?

Anna Bartoli:Um produto recente que, a meu ver, ilustra bem a nossa forma de abordar o projeto é uma cadeira que fizemos para a Kristalia, chama-se edição 1085, é uma cadeira que nasceu precisamente de um estímulo da empresa, de um processo artesanal de fabricação do couro, que não é do mundo do mobiliário, mas pertence ao mundo do calçado.

Um curtume histórico que deu origem às solas das botas da ascensão de Ardito Desio ao K2, uma interessante história empresarial de uma empresa de artesãos, deu o tom a este processo. Eles produzem um couro muito espesso, de 7 mm, com o qual nos pediram para desenhar um produto de design.

Nunca tinha sido usado para design, pensamos em usá-lo para fazer uma cadeira, é um couro que deve ser praticamente domado, porque não é adequado para móveis, deve ser puxado de uma forma muito particular. Então imprimimos, demos um formato tridimensional, usamos tirantes náuticos, esticamos sobre uma armação de metal, usamos esse material pelas suas características de levantamento e tornou-se um projeto de síntese muito interessante entre um tradição artesanal, o nosso trabalho como designer e a tecnologia da Kristalia, que em vez colocou toda a parte estrutural de suporte, investindo também em moldes. Tudo se tornou um produto de design.

SDM: qual a diferença entre o design dos anos 60 e o contemporâneo?

Anna Bartoli:Existe um abismo entre o design dos anos 60 e o design agora. Nos anos 60, a inovação surgiu primeiro da necessidade de fazer, de dar produtos que não existiam, havia uma inovação nos materiais, uma inovação nos tipos, a falta de produtos seriados que pudessem servir a todos, portanto tem havido um florescimento de produtos inovadores.

Antes não existia a ideia de produção industrial de design, principalmente no setor moveleiro, os produtos eram todos feitos à mão, ao invés, nos anos 60 assistimos à aplicação de tecnologias no setor do design para móveis e mais além, então especialmente as necessidades sociais, para responder às necessidades da população com produtos que não existiam antes, tudo isso produziu invenções de época.

Agora tem de tudo, é demais, principalmente no nosso setor moveleiro, não precisa ter cadeira nova, estante nova ou cozinha nova, então você trabalha de forma tradicional, ainda no produto , sobretudo no que diz respeito aos acabamentos, aos desempenhos técnicos, à perfeição dos detalhes.

Do meu ponto de vista, agora estamos realmente mudando epocalmente, então o design também se torna o estudo do processo de negócios em todos os seus aspectos, do processo comercial, do serviço, do envolvimento do cliente, da explicação do que está por trás do produto, que representa a diferença entre uma empresa e outra e entre um produto e outro.

Assim, o papel do designer mudou tanto, temos que saber tudo sobre o mundo dos negócios, não podemos mais tomar cuidado apenas para projetar um produto.

Também recomendamos

responder